Portal UauáWeb - Notícias em ação!

sábado, 28 de março de 2020

Bahia registra 123 casos confirmados de Covid-19

A Bahia registra 123 casos confirmados com coronavírus (Covid-19), o que representa 3% do total de casos notificados. Até o momento, 1240 casos foram descartados e não há óbitos. Este número contabiliza todos os registros de janeiro até as 17 horas desta sexta-feira (27). Ao todo, 16 pessoas estão curadas. No momento seis pacientes se encontram hospitalizados.
Os casos confirmados estão distribuídos em 19 municípios do estado, com maior proporção em Salvador (63,41%).
Estes números representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA) em conjunto com os Cievs municipais.
Dentre os casos confirmados, 55,3% são do sexo feminino e 44,7% do sexo masculino. A faixa etária mais acometida foi a de 30 a 39 anos, representando 23,58% do total. Porém, o coeficiente de incidência por 100.000 habitantes foi maior na faixa de 70 a 79 anos (2,15) seguida da faixa de 80 e mais (1,59), indicando o maior risco de adoecer entre os idosos.
Ressaltamos que os números são dinâmicos e na medida em que as investigações clínicas e epidemiológicas avançam, os casos são reavaliados, sendo passíveis de reenquadramento na sua classificação. Outras informações em www.saude.ba.gov.br/coronavirus.
Diagnóstico laboratorial de infecção pelo SARS-CoV-2
Pacientes com suspeita de COVID-19 devem ter amostras coletadas e enviadas para o Lacen-BA quando estiverem em um dos seguintes critérios abaixo-relacionados:
1. Pacientes com sinais de gravidade, Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) ou internados;
2. Pacientes sem sinais de gravidade contactantes de caso de COVID-19 suspeito ou confirmado, ou com histórico de viagem recente ao exterior em países com circulação do SARS-CoV2, e regiões do país com transmissão comunitária sustentada;
3. Profissionais de saúde com sintomas respiratórios suspeitos de COVID-19;
4. Gestantes com sintomas respiratórios suspeitos de COVID-19;
5. Pessoas com febre, suspeitas de infecção, triadas nos Aeroportos, Portos e nas Estradas
Observação: pacientes que não se enquadrem nas situações acima não têm indicação para coleta de amostras.

Fonte: GOV/BA

sexta-feira, 27 de março de 2020

Advogado de Ronaldinho diz que paralisação no Paraguai causa "muita incerteza"


Advogado de Ronaldinho diz que paralisação no Paraguai causa "muita incerteza"

Decisão anunciada pela Corte Suprema de Justiça do Paraguai na quarta-feira pode complicar ainda mais a situação de Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Assis, presos em Assunção desde o último dia 6 após usarem passaportes falsos para entrar no país. Por causa da pandemia do novo coronavírus, foi estendida a suspensão das atividades do Poder Judiciário em todo o país até o dia 12 de abril.
Isso significa que somente serviços básicos continuarão funcionando e recursos apresentados pelos advogados dos brasileiros na tentativa de tirá-los da cadeia podem demorar ainda mais para serem julgados. "Há muita incerteza por aqui. Vamos ver como os dias passam. Devido a esse problema do coronavírus, qualquer definição é muito arriscada", disse ao Estado o advogado de Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Adolfo Marín.
Os brasileiros estão detidos na Agrupación Especializada de la Policía Nacional, um quartel transformado em presídio de segurança máxima na capital paraguaia. Para evitar a disseminação do coronavírus, estão proibidas visitas a presos no local desde a última terça-feira. Somente advogados podem entrar na cadeia. Mesmo assim, enfermeiras fazem o controle na porta do quartel. Quem apresentar problemas respiratórios, tosse, febre ou gripe é vetado. Os presos também passaram a ser examinados diariamente. O Paraguai registrava até quarta-feira três mortes e 51 pessoas infectadas pelo novo coronavírus.
As fronteiras do país estão fechadas, mas se Ronaldinho Gaúcho e o irmão conseguirem sair da cadeia eles não estariam impedidos de voltar ao Brasil. "A entrada de estrangeiros está restrita, mas a saída não é", explicou a diretora do Departamento de Imigrações do Paraguai, María de los Ángeles Arriola Ramírez.
Autoridades do governo paraguaio, no entanto, não acreditam nessa possibilidade. "Tudo vai depender do tribunal e das medidas que serão aplicadas, como autorizá-lo ou não a sair do país. Mas acho improvável que Ronaldinho volte logo ao Brasil, uma vez que o Tribunal de Apelação apontou a dificuldade de extraditá-lo se ele for para o Brasil", disse a ministra da Justiça Cecilia Pérez.
O conteúdo dos aparelhos celulares de Ronaldinho Gaúcho e do irmão está sendo periciado por investigadores do Ministério Público, que esperam saber se os dois têm ou não ligação com uma organização criminosa estruturada para falsificar documentos e especializada em lavagem de dinheiro. A suspeita do Ministério Público é de que os dois façam parte de um amplo esquema. A quadrilha contaria com a participação de empresários e funcionários públicos para facilitar a operação de negócios ilegais no país.
Decisão da primeira instância confirmada por um tribunal da apelação sustenta que o ex-jogador e seu irmão têm de permanecer presos enquanto durar as investigações. Pelas leis paraguaias, o inquérito pode durar até seis meses.
Os juízes apontam risco de fuga e de obstrução nas investigações se os brasileiros forem transferidos para prisão domiciliar. A defesa de Ronaldinho Gaúcho e de seu irmão alega que os dois foram enganados e não sabiam que os passaportes tinham sido adulterados.
*Com informações do Estadão Conteúdo
Fonte: Jovempan/Esportes

Anvisa autoriza testes de cloroquina para tratamento da coronavírus

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (27), na frente do Palácio da Alvorada, que a Anvisa (Angência Nacional de Vigilância Sanintária) assinou protocolo na noite da última quinta-feira autorizando testes de uso da cloroquina para o tratamento da covid-19.
A cloroquina é um remédio para tratamento de malária e lúpus e a sua eficácia e segurança no tratamento para pacientes com covid-19 estão sendo testadas.
— A novidade é que a Anvisa ontem assinou um protocolo para que o Hospital Albert Einstein oficialmente comece a fazer os testes usando a Cloroquina em portadores da Covid. Parabéns à Anvisa, tá funcionando. Parabéns ao presidente Almirante Antônio Barra pelo pronto despacho.
As informações são do R7

Coronavírus vira isca para criminosos em explosão de golpes na Internet

Relatório da Apura, especializada em segurança virtual, identifica fraudes contra hospitais, autoridades de saúde e recrutamento de "mulas de dinheiro" - em várias partes do mundo e no Brasil também.
Coronavírus vira isca para criminosos em explosão de golpes na Internet
Acorda Cidade
Criminosos na internet estão se aproveitando da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) para aplicar golpes e fraudes em corporações, órgãos públicos e em pessoas físicas. É o que constata um levantamento da Apura Cybersecurity Intelligence, empresa brasileira especializada em cibercrimes e que atende instituições das mais diversas atividades, do Brasil e outras partes do mundo.
Em relatório concluído nesta semana, a Apura verificou, por exemplo, a existência de 2.236 sites com a palavra “coronavírus” no domínio, sem o Certificado SSL (Secure Socket Layer). O SSL é uma espécie de protocolo que atesta aos visitantes se tratar de um ambiente seguro de navegação e compartilhamento de dados.
Uma das plataformas que detectam ameaças, desenvolvidas pela Apura, a Boitatá (a maior do gênero na América Latina), já acumula 63.463 eventos (ocorrências) que mencionam a palavra “coronavírus”.
Foto: Divulgação
“A alta repercussão mundial sobre o Covid-19 abriu espaço para pessoas mal intencionadas se aproveitaram tanto do caos como da constate procura por informações para disseminarem malwares e ransomwares”, adverte o fundador e CEO da Apura Cybersecurity Intellingence, Sandro Süffert.
Malwares, explica o especialista, são vírus e programas similares que se estabelecem nos computadores, de forma ilícita. Os ransomwares são um tipo de malware que inviabiliza o acesso ao sistema infectado, permitindo a sua liberação mediante apenas uma espécie de “resgate”. Especificamente relacionados à conjuntura de pandemia do coronavírus, a Apura constatou três grandes casos.
Alguns casos no mundo
Um deles teve como vítima a Johns Hopkins University, dos Estados Unidos. Uma mapa com a atualização dos casos do novo coronavírus pelo mundo idêntico ao do site da instituição era enviada por e-mail pelos cibercriminosos; na mensagem, o mapa exigia download, por meio do qual se escondia um malware, voltado ao roubo de senhas.
O segundo caso detectado pela Apura envolveu ransomwares fazendo de reféns sistemas de hospitais e instituições de saúde, tanto na Ásia como na América do Norte. O Distrito de Saúde Pública de Champaign-Urbana (também nos Estados Unidos) foi uma das vítimas de cibercriminosos, que conseguiam instalar o programa por meio de correios eletrônicos enviados à organização.
E há um terceiro grande caso, esse no Brasil, constatado pela Apura. Um vídeo adulterado, sobre a construção do hospital na China erguido para receber as vítimas de coronavírus, era enviado por e-mail, como phishing (isca) contendo um malware que, por acesso remoto, permitia aos criminosos acessarem o computador da vítima.
Casos brasileiros - Álcool Gel doado pela Ambev, Exames gratuitos e Netflix Grátis contra COVID-19 também são fraudes
Circula pelo whats app e outros grupos similares no Brasil mensagens envolvendo empresas como a Ambev e Netflix, por exemplo, onde a primeira distribui gratuitamente unidades de álcool gel para quem clicar no "Continue Lendo", e onde a segunda oferece acesso gratuito aos primeiros cadastros, ambos mediante acesso em links fraudulentos. "É preciso tomar cuidado e nunca acessar este tipo de mensagem", afirma Sandro.
Foto: Divulgação
Ainda, segundo o relatório da Apura, há outros casos de “phishing” tendo como temática o coronavírus, verificados no Brasil. Tratam-se de programas que se passam por sites de agendamento de exames, e outros que fornecem exames online, a partir de sintomas informados pelos pacientes. De acordo com a Apura, a fonte desses falsos sites e as motivações ainda estão em fase de investigação.
Foto: Apura
Por fim, o CEO da Apura, Sandro Süffert, acrescenta a ocorrência frequente dos recrutadores de “mulas de dinheiro”. São criminosos que, por e-mail, oferecem trabalhos para serem feitos para atender supostas instituições que atuariam auxiliando, de alguma forma, no combate à pandemia, ou assistindo adoentados.
Depois de encomendar tarefas como inspecionar farmácias – fazendo a vítima crer que se trata de uma instituição e trabalho sérios -, o recrutador falso solicita a realização de transações financeiras, após depósitos feitos na conta bancária da vítima. As transações solicitadas são, em verdade, procedimentos de lavagem de dinheiro.
“Como muitas pessoas estão sendo demitidas, ou tendo a jornada reduzida, ou precisando trabalhar em casa para que se evitem aglomerações, os cibercriminosos identificam nesse público potenciais 'mulas de dinheiro' – pessoas que são 'amarradas' a esquemas de lavagem de dinheiro, sob o pretexto de oferta de emprego”, salienta o executivo da Apura.

Após usar hidroxicloroquina quatro pacientes de UTI com coronavírus recebem alta

Não há comprovação do efeito do uso do medicamento
Após usarem por uma semana a hidroxicloroquina, quatro pacientes que estavam internados em estado grave em uma UTI do Hospital Igesp, em São Paulo, receberam alta.  
O coordenador da UTI do Hospital, Dante Senra, explicou que, no total, 12 altas foram dadas a pacientes com coronavírus e altamente suspeitos e que acredita que o hospital seja o primeiro a utilizar o medicamento.
A hidroxicloroquina tem se revelado eficaz no combate ao coronavírus e trata doenças como artrite, lúpus e malária. Além disso, tem se mostrado efetiva em limitar a replicação do novo coronavírus in vitro e provocar melhoras em pacientes tratados com o remédio.
De acordo com o médico Dante não há comprovação do efeito do uso do medicamento, com isso, não dá pra garantir que os pacientes foram curados porque fizeram uso da substância.

quinta-feira, 26 de março de 2020

Deu negativo exame para casos suspeitos de Coronavírus em Uauá

Foto: reprodução/internet

Deu negativo para Coronavírus o resultado do exame feito com material coletado dos 03 pacientes de Uauá, município a 427 quilômetros da capital Salvador. A informação foi confirmada na manhã desta quinta-feira (26) pela Secretaria Municipal de Saúde. Deixando assim a população uauaense um pouco tranquilizada.

Queremos lembrar que, até o momento, o município de Uauá consta apenas um caso suspeito de HN1, ainda não confirmado e três casos de Coronavírus descartados.

Nota Oficial da Prefeitura de Uauá - Foto: reprodução/PMU



REDAÇÃO: WWW.UAUAWEB.COM.BR

INSERT DIGITAL

PRÓ-SAÚDE - CLÍNICA MÉDICA EM UAUÁ

Grupo Santa Bárbara

POYNTNET - Provedor de Qualidade

PAX UAUÁ